Artigos

p7

Castro do Jarmelo

Volte à estrada 16 e siga sempre na direcção da Guarda. A determinada altura, encontrará um desvio à esquerda, com a indicação Castro do Jarmelo. Como verá, do castro pouco parece restar, além de um enorme amontoado de pedras (excepto, talvez, para os entendidos). Mesmo assim, a deslocação pode valer a pena, pois, perto da igreja que aí se encontra, há um recanto bastante agradável, onde, sob azinheiras de grande porte, sabe bem fazer uma pequena paragem. Aí, o silêncio apenas é interrompido pelo chilrear dos pássaros. Não muito longe, existe um marco geodésico. Vá até lá, se quiser ter uma boa perspectiva da paisagem circundante.

pacoducal800x460

Vila Viçosa

Tome depois a direcção de Vila Viçosa. A saída do Alandroal, do lado esquerdo, há uma capela, rodeada por um espaço ajardinado e algumas mesas. Trata-se de um recanto agradável que convida a uma pequena paragem, sobretudo nos dias de maior calor. No caminho para Vila Viçosa, verá, de ambos os lados da estrada, enormes pedreiras, onde se procede à extracção de mármores. A exploração das pedreiras da região já data, pelo menos, da época romana. Infelizmente, a extracção intensiva das últimas décadas tem provocado grandes estragos na paisagem. Para quem vem do Alandroal, a chegada a Vila Viçosa faz-se pela zona industrial, pelo que a primeira impressão do viajante, tendo em conta os epítetos de vila-museu e princesa do Alentejo por que é conhecida, é de decepção. Só mais tarde se percebe que a fama é, apesar disso, totalmente justificada.

• Sugerimos que efectue a primeira paragem na Mata Municipal. Trata-se de um jardim agradável, com arvoredo bastante denso e, portanto, muito boas sombras (um autêntico “tesouro”, nesta zona do Alentejo!). Um parque infantil bem equipado, um bom restaurante e arruamentos atractivos completam o quadro. É um óptimo local para descansar um pouco, antes de tentar aproveitar ao máximo tudo o que Vila Viçosa tem para oferecer.

Quando achar que é altura, pegue no carro e dirija-se à antiga estação da CP, onde funciona actualmente o Museu do Mármore. No caminho, passará pela Igreja da Lapa, um templo de meados do séc. XVIII. Defronte da igreja, encontrará também o curioso Cruzeiro da Serpente. Originalmente, este cruzeiro pertencia ao Convento de Santo Agostinho, tendo sido trasladado para aqui em meados do séc. XIX. A serpente alada representa o dragão das armas dos Duques de Bragança.

20090617150733785829

Montesinho

Passe por debaixo do viaduto e entre na estrada alcatroada, virando à esquerda. Mais acima, passará por uma praia fluvial excelente, junto ao parque de campismo. Depois de uma eventual paragem, siga em direcção às aldeias de França e Montesinho.

• Montesinho é mais uma aldeia serrana para visitar devagar, saboreando os jogos de luz das ruelas estreitas e os cambiantes de brilho dos telhados de xisto.

• Depois, saia de Montesinho voltando a subir a encosta que o levou à aldeia e, quando chegar ao telheiro que abriga o painel indicativo do Parque Natural, vire à esquerda para Barragem e Lama Grande. A estrada dá lugar a uma pista larga de terra batida, em muito bom estado de conservação.

1 a praia8

São Teotónio

Saia agora em direcção ao interior, passando por uma discoteca, à esquerda, que durante o Verão anima a noite de alguns e inferniza a de outros. Já nos esquecíamos de dizer que as noites estivais, na Zambujeira, são especialmente animadas, sobretudo em Agosto, altura em que aí se realiza o já célebre Festival do Sudoeste. A seguir, passará pelo parque de campismo e, depois, por vários campos cultivados, numa curiosa e rápida transição da paisagem marítima para a agrícola. O próximo ponto de paragem no trajecto é a vila de São Teotónio, onde chegará depois de cruzar a EN 120. É uma povoação que já acusa a interioridade alentejana, sem o pitoresco que caracterizava as vilas de pescadores. Sem a aragem marítima, o sol é aqui abrasador e, no Verão, todas as sombras são aproveitadas. Mesmo assim, ao longo das ruas de São Teotónio, as árvores são raras. Todos os anos, o momento forte da terra é o Festival dos Mastros, em Junho, altura que as ruas são quase todas enfeitadas com flores de papel, dando-lhe uma beleza que a transfigura.

96016463

Barragem do Covão do Curral

Continuando a descer para o Sabugueiro, passará por outra barragem, a Barragem do Covão do Curral, que se vê bem no vale, do lado esquerdo da estrada. Há um caminho que permite chegar junto à água. Do lado oposto ao paredão, vêem-se alguns charcos, frequentados pela avifauna local – com um pouco de sorte, talvez aviste um casal de cegonhas-pretas. Um pouco abaixo, passará por um agradável pinhal, muito cerrado e com bastante sombra. Um óptimo local para fazer uma paragem mais demorada e aproveitar para descansar sobre o “manto” de caruma que recobre o solo.

Nota: se nunca passou pela Serra da Estrela no Inverno, é provável que se interrogue sobre a utilidade de uns ferros que se encontram nas bermas da estrada, pintados com faixas pretas e amarelas. Trata-se de uma espécie de balizas, que permitem ter a noção dos limites da estrada, quando a mesma está coberta de neve.

parque aquatico fafe, parque aquatico de fafe, parque aquatico de fafe preços 2013, casa do penedo, burros, parque aquatico fafe preços, praias fluviais algarve, escapadelas baratas, parque aquatico fafe site oficial, parque terra nostra .