É sabido que a Região da Madeira tem o condão de transmitir aos visitantes uma sensação de grande calma e tranquilidade. Isso deve-se tanto ao seu clima suave e ameno como à grande abundância de zonas verdes – convém não esquecer que uma parte substancial do arquipélago é considerada Área Protegida. Não espanta, por isso, que a Madeira seja vista, por muitos, como um enorme jardim em pleno oceano.

• Na realidade, trata-se de uma região que exala encanto e exotismo por todos os poros. Não terá sido certamente por acaso que a Madeira se tornou um destino de eleição logo após a sua descoberta, no princípio do século XV, e que, com o tempo, se tenha transformado numa das primeiras estâncias turísticas da Europa. As suas quatro ilhas – Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens (estas últimas inabitáveis) – sempre se mostraram propensas a suscitar as mais diversas emoções. Por isso, foram muitos os que, ao longo dos anos, se sentiram atraídos por elas – e alguns foram ficando indefinidamente.

• Em suma, a Madeira apresenta-se, essencialmente, como uma região de uniões harmoniosas: Homem e Natureza, progresso e tradição, cidade e campo, todos convergem num único sentido. Nestas pérolas atlânticas, os diferentes mundos não se opõem, antes contribuem para embelezar e tornar ainda mais interessante o arquipélago, convocando o visitante para agradáveis passeios exploratórios, onde os aromas marítimos estão sempre presentes.

AdrenalinerushwithatobogganrideMonteFunchal

Os carros de cesto

Terminada a visita ao Jardim Orquídea, desça até ao cruzamento onde iniciou a subida para o Jardim Botânico e, se quiser experimentar os célebres carros de cesto e/ou visitar o Jardim Tropical Monte Palace, siga a indicação Monte. Depois de alguns quilómetros, encontrará um largo sombreado por enormes plátanos, onde pode estacionar. Seguindo até ao fim do largo, tome o caminho da direita, onde está uma escultura que representa os carros de cesto. Estes encontram-se logo ao virar da curva.

• Os carros de cesto terão sido inventados por um inglês que vivia no Monte e trabalhava no Funchal. Deste modo, tornou as idas diárias à capital mais rápidas e, simultaneamente, mais agradáveis. Trata-se de um carro em verga, de dois lugares, que é manobrado por dois homens de forma a deslizar na calçada, sobre patins de madeira. A vertiginosa descida é controlada unicamente pelos condutores, que travam o carro com os pés! No entanto, segundo consta, não há acidentes a registar. Assim, talvez valha a pena experimentar este meio de transporte seguro e ecológico!

• A descida dura 20 a 30 minutos e acaba na parte velha do Funchal. À chegada, terá à sua espera um táxi que poderá levá-lo de volta ao Monte, por cerca de 5 euros. Mas também pode usar o teleférico, que faz o mesmo percurso em cerca de 15 minutos e lhe permitirá desfrutar de um magnífico panorama da baía.

Local: Carreiros do Monte – Sítio da Igreja.
Contacto: 291 78 39 19.
Horário: de segunda a sábado, das 09.00 h às 18.00 h; domingo, das 09.00 h às 13.00 h.

2010 12 13_Sónia Dória163

Percurso no Funchal

São muitas as razões que fazem com que a romântica cidade do Funchal mereça uma visita atenta. É uma povoação que combina, de forma bastante atractiva, os locais de interesse histórico e cultural com os espaços de natureza e lazer. Alguns parecem-nos absolutamente incontornáveis. Eis as nossas propostas de entre o que de mais interessante existe e se faz nesta cidade.

j1

Passeio pedestre pelos Picos da Madeira

Não muito longe do miradouro, encontra-se uma vereda com o chão empedrado com lajes, que permite atingir os picos mais próximos. Poderá dar início a um passeio, com uma extensão de cerca de 10 quilómetros, até ao Pico Ruivo. Trata-se de um percurso pedestre difícil e que envolve algum perigo, pois terá de passar por veredas nas encostas sem qualquer protecção. Além disso, exige uma boa preparação física, devido às inúmeras subidas e descidas íngremes. Se for acompanhado de crianças, deverá prescindir deste passeio. Em alternativa, poderá fazer uma caminhada mais fácil até ao mesmo pico, mais adiante neste roteiro.

• Ao fim de 15 minutos de caminhada, verá, à sua esquerda, os palheiros do Pico Furão, no Curral das Freiras. Depois, passando pelo dique que separa as cabeceiras das ribeiras da Fajã da Nogueira e do Cidrão, chegará ao Pico do Gato, com os seus 1 780 metros de altitude. Um túnel escavado na rocha, com 2 metros de altura e 100 de comprimento, permite atravessar o pico sem ter de o escalar. Adiante, mais três túneis levá-lo-ão através das entranhas da rocha avermelhada do Pico das Torres.

• Leve consigo comida, água, uma lanterna a pilhas e agasalhos, mesmo que o tempo esteja óptimo, porque de um momento para o outro pode surgir nevoeiro ou ocorrer uma baixa brusca de temperatura. Não se esqueça também de marcar bem o tempo de marcha (necessitará de, pelo menos, duas horas), evitando ser apanhado pelo cair da noite. Se começar a acusar fadiga, não hesite em sentar-se um pouco para recuperar forças, inalando profundamente o ar puro da montanha.

Funchal_(_Portugal_)05

A caminho do Funchal

Regresse à estrada para o Paul da Serra, através de uma paisagem plana e árida. Pouco depois, antes de chegar ao Paul da Serra, passará pelo único restaurante da zona, podendo constituir uma óptima alternativa para quem se tenha esquecido de trazer um farnel à medida das anteriores caminhadas serranas.

• No início da descida para Canhas, encontrará à direita um pequeno parque de merendas, de onde se consegue apreciar uma boa panorâmica da costa sul. Tem bancos, mesas e local para aquecer uma refeição. Pelas redondezas, encontrará várias veredas e levadas de piso fácil, passíveis de serem exploradas.

• Continuando a descida, passará por uma das maiores manchas florestais de eucalipto da ilha. Depois de Canhas, tome a direcção de Ponta do Sol e siga pela agradável estrada junto à costa, até à Ribeira Brava, onde deverá tomar a via rápida de regresso ao Funchal. Passará por vários túneis escavados nas montanhas e sobre arrojados viadutos, a partir dos quais poderá contemplar a excelente paisagem, de um ponto de vista muito diferente do permitido pela estrada antiga por onde passou na ida.

geo01-pico-ana-ferreira-luisafonsof

Pico de Ana Ferreira

Volte para a costa sul e suba ao Miradouro das Lombas, de onde se pode apreciar um óptimo panorama da praia e da Vila Baleira. Encontrará aí um moinho característico da ilha, com todo o equipamento necessário ao seu funcionamento, que pode ser visitado livremente.

• Depois de subir ao Campo de Cima, contorne o Pico de Ana Ferreira por uma estrada de terra em estado razoável. Na encosta nordeste do monte, poderá observar uma série de enormes colunas de basalto com o aspecto de tubos de um órgão. Estas formações têm o nome técnico de “traquiandesitos” e são fissuras de retracção que se formaram durante o arrefecimento do magma. Vale a pena tentar levar o carro até lá, ou então fazer a caminhada a pé para evitar a estrada com o piso em mau estado. Por baixo das formações basálticas existe um miradouro a partir do qual conseguirá ver bem toda a parte leste da ilha.

• Ao passar no vale entre o Pico de Ana Ferreira e o Cabeço das Flores, observe o bonito desfiladeiro, escavado pela força do vento e pela pouca chuva que cai por estas paragens, lembrando, em pequena escala, certos recantos do Monument Valley, nos Estados Unidos.