Ruínas de Miróbriga

Este extenso complexo arqueológico permitiu aos arqueólogos, mas também aos leigos, compreender o modo de vida dos romanos que ocuparam esta área. O recinto está dividido em várias áreas, onde se encontram casas de habitação, termas, ponte, zona de comércio e fórum-acrópole, ligados por calçadas de xisto da região. As termas, que ocupam dois edifícios, apresentam diversos compartimentos: entrada, zona de banhos frios (frigidarium) e zona aquecida, dividida em caldarium (banhos quentes) e tepidarium (banhos mornos). O pavimento destas salas era revestido a mármore. As zonas quentes eram aquecidas pelo hipocausto, uma estrutura construída sob o soalho por onde circulava o ar quente.

Local: Chãos Salgados.
Contacto: 269 81 84 60.
Horário: das 09.00 h às 12.30 h e das 14.00 h às 17.30 h. Domingo, das 09.00 h às 12.00 h e das 14.00 h às 17.30 h. A bilheteira encerra uma hora antes. Encerra à segunda e principais feriados.

Badoca Park – Safari no Alentejo

Depois do passeio, saia de Santiago do Cacém, tomando a direcção de Lagoa de Santo André. Ao chegar ao cruzamento com o IP8, vire à esquerda para Sines e, já no IP8, volte logo à direita onde indica Badoca Park (Safari no Alentejo). Seguindo as indicações, encontrará um enorme parque de estacionamento.

• Neste empreendimento, com cerca de 90 hectares de extensão, existe um grande parque florestal, por onde vagueiam, em semi-liberdade, diversas espécies exóticas, como búfalos, lamas, gamos, avestruzes, zebras, cangurus, iaques, etc. Os animais podem ser avistados a partir de um veículo todo-o-terreno ou a pé, através de trilhos vedados, acompanhados por um guia. Para além dos animais de maior porte, existem também muitas gaiolas com espécies mais pequenas, que podem ser observadas pelos visitantes.

• Dentro do recinto encontrará também lojas diversas, um restaurante, um bar e um óptimo parque infantil.

Local: Herdade da Badoca, Vila Nova de Santo André.
Contacto: 269 74 44 92.
Horário: todos os dias, das 10.00 h às 18.00 h.

Museu Municipal de Santiago do Cacém

De regresso ao centro da cidade, não deixe de visitar este espaço museológico, onde poderá apreciar uma excelente colecção arqueológica, distribuída por três salas. É aqui, na sala dois, que estão expostos alguns dos artefactos encontrados durante as escavações realizadas nas ruínas de Miróbriga, entre outras preciosidades. O período compreendido entre o Paleolítico e a ocupação romana está também representado.

• Além do núcleo arqueológico, o museu possui também um rico espólio etnográfico, que ilustra, sobretudo, o modo de vida das populações rurais, embora se apresente igualmente a reconstituição de um quarto tipicamente burguês.

• Numa das dependências, uma das celas da prisão foi mantida intacta, lembrando a utilização original do edifício, antes de ter sido transformado em museu. Existem ainda outras áreas que podem ser visitadas, onde decerto encontrará motivos de interesse.

Local: Praça do Município.
Contacto: 269 82 73 75.
Horário: de terça a sexta, das 10.00 h às 12.00 h e das 14.00 h às 17.00 h. Sábado e domingo, das 14.00 h às 17.00 h. Encerra à segunda e dias feriados.
Preço: gratuito.

• Se encontrar o museu ainda fechado, poderá esperar a hora de abertura no jardim da Praça do Município, em frente. Este está muito bem cuidado, oferecendo alguma sombra e espaço para as crianças brincarem.

Minas do Lousal

Nesta localidade, foram exploradas minas de pirite entre 1900 e 1988. A área de concessão mineira, com cerca de 200 hectares, inseria-se na faixa piritosa ibérica, com cerca de 250 quilómetros de extensão, que se estende desde o Vale do Sado até ao Vale do Guadalquivir, próximo de Sevilha. Da mina, extraía-se essencialmente pirite de alto teor de enxofre, que depois era utilizado na produção de ácido sulfúrico, destinado ao fabrico de adubos agrícolas (superfosfatos).

O Museu Mineiro do Lousal, único no nosso país, aproveita as infra-estruturas da mina para expor os diversos núcleos museológicos. A Central Eléctrica e o Centro de Interpretação já podem se visitados. Posteriormente, uma antiga galeria da mina será aproveitada como sala de exposições e animação cultural. No exterior, poderá apreciar uma antiga locomotiva a vapor do comboio da mina, completamente restaurada.

Local: Azinheira dos Barros.
Contacto: 269 50 81 60.
Horário: Verão, das 10.30 h às 14.00 h e das 16.30 h às 20.00 h. Inverno, das 10.00 h às 17.00 h, sem interrupção para almoço. Encerra à terça.
Preço: gratuito.

• Também já se encontram em funcionamento, no recinto mineiro, o restaurante Armazém Central e diversas lojas de artesanato. Mais abaixo, do outro lado da rua, um parque infantil com uma enorme pirâmide de cabos de aço espera pela atenção dos mais novos.

• Depois da visita, repare na barragem que antigamente assegurava o abastecimento de água à povoação e às instalações mineiras. Embora pequena, está integrada numa paisagem agradável, limitada, no lado do paredão, pela ponte do comboio da mina. Encontrará aqui bons recantos para tomar uma refeição à sombra ou mesmo para pescar. A água tem uma temperatura óptima para dar um mergulho. No entanto, como em qualquer barragem, é necessário ter cuidado com as crianças, sobretudo devido aos fundões e ao facto de a água ser um pouco turva. Tenha o cuidado de voltar a fechar o portão que dá acesso ao local, tal como está indicado na tabuleta afixada, para o gado não sair.

• À saída da povoação, sentirá certamente o cheiro intenso a enxofre, exalado pelos detritos de terra e pedras do morro onde se encontram as ruínas fabris.

Regresso a Grândola

Voltando ao cruzamento atrás, siga para Melides. No centro da aldeia, encontrará a indicação Grândola. Regresse à vila através de uma paisagem agradável, dominada sobretudo por enormes pinheiros mansos e sobreiros.

Saboreie o fim do dia numa das esplanadas junto ao Jardim Municipal, inalando a brisa fresca da noite.