Casal de Ermio

Saia da Lousã na direcção de Coimbra. Passado algum tempo, volte à direita, quando vir a indicação Casal de Ermio. Chegando à aldeia, siga a indicação Praia Fluvial. O acesso faz-se por uma estrada apertada, onde convém ir buzinando para anunciar regularmente a sua presença e, assim, evitar manobras complicadas. A Praia Fluvial do Casal de Ermio fica situada num recanto paradisíaco do Rio Ceira, um dos afluentes do Mondego. A água é transparente e existem bons locais, pouco profundos, onde as crianças podem nadar sem perigo. Se quiser fazer um passeio fluvial pelos arredores, poderá alugar uma das pequenas embarcações disponíveis. Existe também um bar com uma espécie de esplanada palustre, muito agradável. O rio tem óptimos locais para a prática da pesca, desde que se tenha arte suficiente para enganar os enormes barbos que nele nadam, indolentes.

Lagoa

Retome a direcção da Lagoa pela EN 125. Como facilmente poderá constatar, este trecho da estrada está repleto de lojas de artesanato diverso, que se sucedem de forma constante.

• A região da Lagoa é especialmente conhecida graças aos seus vinhos. Por isso, sugerimos que comprove pessoalmente a sua qualidade, provando uma selecção representativa dos melhores vinhos locais. (Mas, atenção: quase todos os vinhos da Lagoa têm um elevado teor alcoólico, que anda pelos 13 a 13,5%!).

• Para quem vem de Portimão, a Adega Cooperativa da Lagoa fica do lado direito, junto a um cruzamento com semáforos. Passando o portão, o posto de venda e de provas fica ao fundo, do lado direito.

• É possível fazer uma visita guiada às adegas, durante a qual se fica a saber quase tudo sobre a produção e o engarrafamento dos cinco tipos de vinhos da região, em que predominam os tintos. Segue-se a prova, que decorre junto ao posto de venda. Se o desejar, também pode adquirir os que forem mais do seu agrado. Os preços vão de cerca de 1,5 Euros, para uma garrafa de vinho de mesa comum, até cerca de 6,25 Euros, para um Porches tinto de 1998.

• A visita com prova simples é gratuita, mas se desejar um acompanhamento de pão e chouriço, já lhe custará cerca de 3 Euros (por pessoa), além de que essa modalidade está sujeita a marcação prévia (contacto: 282 34 21 81).

Em Montemor-o-Novo

Ao chegar a Montemor, o melhor é estacionar perto do Largo Calouste Gulbenkian e visitar a cidade a pé. Para não se perder, aconselhamo-lo a dirigir-se ao Posto de Turismo, que fica justamente neste largo, e a pedir um folheto com a planta da cidade. Mesmo ao lado, observe a curiosa loja de artesanato, com os seus cabedais e cobres expostos sobre o passeio.

• Prepare-se agora para calcorrear a zona mais antiga da cidade, onde casas senhoriais convivem harmoniosamente com habitações de traça mais popular. Na Rua 5 de Outubro, por exemplo, no n.° 54, poderá admirar a fachada do solar dos Mouzinhos da Silveira Almadanins (séc. XVII). No Largo Alexandre Herculano, encontrará mais alguns solares, onde viveram, por exemplo, o conde de Safira e o visconde da Amoreira da Torre.

• Virando aqui à esquerda, em direcção ao largo onde se situam os paços do concelho, encontrará mais alguns pontos de interesse, como a Fonte de Nossa Senhora da Conceição (à esquerda) e a do Besugo (à direita), e uma curiosa lápide de mármore, com elementos que se pensa serem de origem romana e visigótica.

• Continuando sempre a subir, passará pelas ruelas estreitas do núcleo antigo, onde se destaca a arquitectura popular. Algumas casas ainda apresentam os robustos portais de granito. Há sempre pequenos pormenores que as tornam especiais, pelo que deve observar os edifícios com atenção, não vá escapar-lhe alguma coisa interessante.

Moura Encantada Santa Clara

A Moura Encantada oferece-lhe a oportunidade única de navegar nas águas calmas do paradisíaco lago da Barragem de Santa Clara num barco totalmente ecológico, desenhado a partir de um tradicional barco de pesca português.

Concebido como projecto estruturante para a região, e que culminará na abertura de um hotel em 2013, a Moura Encantada propõe-se partilhar com o visitante e a comunidade local a sua paixão pela cultura portuguesa e local e pela natureza. O projecto incluiu já a publicação de dois trabalhos de referência nesta zona e que expressam bem essa vertente: “A vida na Moura Encantada”, um levantamento da fauna e flora locais e o conto “Tesouro da Moura Encantada”, que para um público mais jovem conta as estórias dos animais que habitam as margens e das plantas e flores que cobrem a paisagem.

Inspirado no modelo de barco português da Canoa da Picada, uma embarcação típica do séc. XIX e inícios do séc. XX, cuja principal actividade era a compra de pescado em alto mar e o seu transporte, o barco Água Moura é uma proposta surpreendente. Movido por dois motores eléctricos alimentados por 9 painéis solares discretamente colocados sobre a cobertura do convés, este é um barco que para além de não poluir é silencioso, o que se traduz na solução perfeita para navegar tranquilamente sobre estas águas, enquanto observa a paisagem, escuta os sons da natureza, mergulha nas tépidas águas da barragem, lê um livro, ou dorme uma sesta sem sobressaltos. O barco dispõe de uma zona de deck aberta, para banhos de sol, uma zona lounge espaçosa e confortável com mesa e 6 lugares sentados e uma plataforma de madeira ao nível da água para facilitar subidas e descidas, transportando até 12 passageiros.

Poderá optar entre passeios de meio dia, ou dia inteiro, para que se deixe verdadeiramente embalar, com direito a pausa para almoço e ainda mais tempo para apreciar a paisagem que o rodeia. Se procura um momento especial do dia, escolha entre um passeio ao pôr-do-sol, com direito a uma garrafa de champagne ou um cruzeiro ao luar, para que desfrute de um céu estrelado como nunca viu. Se desejar almoçar ou jantar, a Moura Encantada tem ao seu dispor serviço de refeições, jantar gourmet e serviço de bar e snacks. A horta biológica fornece os ingredientes da época e garante-lhe uma experiência gastronómica inesquecível.

De resto estará a um pulo da pacata aldeia de Santa Clara-a-Velha, a cerca de 30 kms de S. Teotónio ou de Vila Nova Milfontes, e apenas a 230 kms de Lisboa.

Museu Municipal Dr. Santos Rocha

Este museu fica perto do Parque das Abadias e tem múltiplas áreas de exposição, pelo que não será difícil encontrar algo que suscite o seu interesse. Na secção de arte indo-portuguesa, estão expostas algumas peças de mobiliário e outros objectos de inspiração oriental e ocidental. Na colecção africana, dedicada essencialmente a Angola e Moçambique, descobrirá objectos de caça, guerra e decoração e instrumentos musicais e rituais, entre outros. Além destes núcleos, mais invulgares, existem ainda secções de arqueologia, com artefactos encontrados na Figueira da Foz e noutras zonas do país, e de arte sacra – dois temas mais comuns, é verdade, mas não menos interessante.

Local: Rua Calouste Gulbenkian.
Contacto: 233 40 28 40.
Horário: das 09.30 h às 17.15 h. Durante o Inverno, apenas está aberto, ao fim-de-semana, das 14.15 h às 17.15 h. Encerra à segunda e dias 1 de Janeiro, 1 de Maio, 24 de Junho e 25 de Dezembro.