Foia 2

Pico de Fóia

Saia de Monchique em direcção ao Pico de Fóia. Ao fim de quase 6 quilómetros de subida, encontrará a indicação de fonte e miradouro, no lado esquerdo da estrada. De facto, existe aí um pequeno parque, com mesas, bancos e uma fonte com bom aspecto. A paisagem também merece ser apreciada durante algum tempo. No entanto, tanto a entrada como a saída deste miradouro ficam numa curva muito perigosa, pelo que é preciso prestar muita atenção ao trânsito.

• Pouco depois, chegará ao cimo do Pico de Fóia, o ponto mais alto do Sul de Portugal, com os seus 902 metros de altitude. Fóia e toda a Serra de Monchique formaram-se a partir de uma rocha eruptiva que, há milhões de anos, irrompeu pelo xisto, que é o principal constituinte da serra algarvia. Em Fóia descobriu-se um afloramento de sienitos de características peculiares, a que foi dado o nome de foiaíte. Ocorreu outro afloramento do mesmo tipo no Cerro da Picota.

• Em dias sem neblina, a vista do alto de Fóia é fantástica, podendo abranger toda a costa, desde o Cabo de São Vicente até à silhueta da Serra da Arrábida, perto de Setúbal! Infelizmente, como seria de esperar, o local está completamente “infestado” de antenas… Os apreciadores de caminhadas poderão estacionar o carro e fazer um percurso pedestre pela encosta sul. Existem vários trilhos por entre as penedias, que vale a pena explorar…

• Depois, desça por onde está indicado Penedo do Buraco e Monchique. A estrada é boa e a paisagem fantástica, com encostas rochosas alternando com culturas em socalcos. Grandes castanheiros sombreiam aqui e ali a estrada, dando-nos de repente a impressão de estarmos a passear em Trás-os-Montes ou no Alto Minho. Realmente, nada disto tem a ver com a paisagem algarvia habitual e só está aqui devido ao microclima existente na serra. Não hesite em parar o carro e dar uma volta a pé pelas redondezas.

• Ao fim de cerca de 6 quilómetros, vire num cruzamento, na direcção de Foz do Farelo. Vai continuar a viajar durante mais algum tempo numa paisagem idêntica à anterior que, a pouco e pouco, se vai transformando em puro barrocal.

• Siga em direcção a Zambujeira de Baixo e Maria Vinagre por uma estrada que, em alguns troços, ainda é de terra batida. Repare no rio que corre no vale do lado direito da estrada; é a Ribeira de Ceixe, ou Seixe, que vai desaguar em Odeceixe. Existem caminhos que lhe permitirão descobrir inúmeros recantos deste curso de água de aspecto perfeitamente paradisíaco e onde, se assim o desejar, poderá descansar um pouco e/ou tomar uma refeição.

Esta excursão serrana termina na vila de Maria Vinagre.

Comentários

Comentários