Óbidos

Regresse pela mesma estrada até às Caldas da Rainha e, ao entrar na rotunda onde se encontra a estátua da Rainha D. Leonor, tome a direcção de Óbidos. Pouco antes de chegar à vila, passará por um imponente edifício, que surge bem destacado, num descampado, do lado direito da estrada. Trata-se do Santuário do Senhor Jesus da Pedra. Este singular edifício foi construído entre 1740 e 1747, em substituição de uma pequena capela que ficava a cerca de 300 metros a norte deste local. A sua denominação advém de uma cruz de pedra com a imagem de Cristo gravada, de data e origem desconhecidas. Repare na magnífica abóbada pintada e no pequeno coche que, até há pouco tempo, servia para transportar a imagem da Virgem nas peregrinações à Nazaré.

Horário: todos os dias, das 09.30 h às 12.30 h e das 14.20 h às 18.40 h.
Preço: gratuito.

• Diante do santuário, existe um grande recinto, onde as crianças, normalmente menos interessadas em pormenores históricos e arquitectónicos, podem andar de bicicleta. Junto a um restaurante que aí se encontra, repare no bonito Chafariz Rocaille, da segunda metade do século XVIII.

• Depois, suba à vila de Óbidos, passando por baixo do elegante aqueduto, e estacione no parque logo à entrada. Um pouco acima do estacionamento, há um bom parque de merendas. Óbidos é uma vila típica, onde o tempo parece ter parado. Dê um longo passeio pelas estreitas ruelas e procure apreciar, por detrás do cenário turístico que se impõe aos olhares menos atentos, as verdadeiras lojinhas do comércio tradicional, onde os habitantes se abastecem. Aproveite também para parar numa das muitas tasquinhas e provar uma ginginha local. Depois, faça uma visita ao Museu Municipal de Óbidos, onde poderá observar uma boa colecção de peças de arqueologia, pintura, escultura e arte sacra, além de diversas obras de Josefa de Óbidos. O período conturbado da Guerra Peninsular (séc. XIX) está bem representado na secção de armaria.

Local: Praça de Santa Maria.
Contacto: 262 95 50 10.
Horário: todos os dias, das 10.00 h às 12.30 h e das 14.00 h às 18.00 h. Encerra nos principais feriados.

• Junto ao museu, na Oficina do Barro, poderá assistir ao fabrico artesanal dos conhecidos cestinhos, pacientemente moldados com rolinhos de argila. Nas diversas lojas de vinhos, poderá adquirir o que de melhor se produz, neste sector, na região e no país. Em certos estabelecimentos poderá provar, gratuitamente, alguns vinhos.

Não termine a visita sem subir ao castelo, de onde poderá apreciar a magnífica panorâmica dos arredores. Curiosamente, há alguns séculos, as águas da Lagoa de Óbidos banhavam os muros do castelo, do lado poente.

Museu dos Fósforos

Um pouco adiante, ao lado da Igreja de São Francisco, não deixe de visitar este curioso museu. Ficará certamente maravilhado com a maior colecção filumenística da Europa, com cerca de 40 000 caixas, carteiras e etiquetas de fósforos e recordará, seguramente, algumas imagens da sua infância. Esta enorme colecção foi iniciada por Aquiles Mota Lima, que a doou à Câmara Municipal para que fosse exibida ao público, continuando depois a crescer, graças às constantes doações de particulares.

Local: Câmara Municipal de
Tomar, Praça da República.
Contacto: 249 32 98 23 (Posto de Turismo).
Horário: todos os dias, das 10.00 h às 12.00 h e das 14.00 h às 18.00 h.
Preço: gratuito.

Aquário Vasco da Gama

Continuando na marginal, em direcção a Lisboa, não deixe de parar no Dafundo para visitar o Aquário Vasco da Gama. Aqui poderá apreciar os instrumentos e animais recolhidos durante as campanhas oceanográficas do rei D. Carlos I na costa portuguesa. No primeiro andar, está exposta uma vasta colecção de espécies embalsamadas, reproduções de animais e conchas. No piso inferior, são apresentados animais vivos, distribuídos por dezenas de aquários. Além de uma completa colecção das espécies mais comuns da nossa costa, também há muitos exemplares da fauna e flora exóticas, provenientes de rios e mares tropicais. Diversos ecrãs, espalhados ao longo dos corredores, permitem aceder a informação bastante completa sobre a vida aquática.

Local: Rua Direita do Dafundo, n.° 1
Contacto: 214 15 16 10.
Horário: todos os dias, das 10.00 h às 18.00 h.

Museu Municipal Dr. Santos Rocha

Este museu fica perto do Parque das Abadias e tem múltiplas áreas de exposição, pelo que não será difícil encontrar algo que suscite o seu interesse. Na secção de arte indo-portuguesa, estão expostas algumas peças de mobiliário e outros objectos de inspiração oriental e ocidental. Na colecção africana, dedicada essencialmente a Angola e Moçambique, descobrirá objectos de caça, guerra e decoração e instrumentos musicais e rituais, entre outros. Além destes núcleos, mais invulgares, existem ainda secções de arqueologia, com artefactos encontrados na Figueira da Foz e noutras zonas do país, e de arte sacra – dois temas mais comuns, é verdade, mas não menos interessante.

Local: Rua Calouste Gulbenkian.
Contacto: 233 40 28 40.
Horário: das 09.30 h às 17.15 h. Durante o Inverno, apenas está aberto, ao fim-de-semana, das 14.15 h às 17.15 h. Encerra à segunda e dias 1 de Janeiro, 1 de Maio, 24 de Junho e 25 de Dezembro.

Paço dos Duques de Bragança

A seguir, desça um pouco mais, até ao largo onde se situa a entrada do Paço dos Duques de Bragança. Trata-se de uma lindíssima casa senhorial, de influência normanda, mandada construir no século XV por D. Afonso, filho bastardo de D. João I, sobre os alicerces do palácio do conde D. Henrique. Foi deixada ao abandono a partir do século XVI, mas restaurada no século passado, na década de 30. Actualmente, é residência oficial do Presidente da República no Norte e inclui um museu, distribuído por várias salas decoradas com mobiliário do século XVII e diversas tapeçarias, além de outras curiosidades.

Contacto: 253 41 22 73.
Horário: veja o horário do castelo.