Mourão

Volte a Reguengos e, na primeira rotunda, siga a direcção Mourão. Chegará novamente à Praça da Liberdade, onde deve voltar à direita e, depois, à esquerda. Continue em frente, sempre na direcção de Mourão. Entrará numa estrada tipicamente alentejana (a EN 266), rodeada de campos de cultivo, onde, ao fim da tarde, nos dias quentes, muitas cegonhas passeiam e procuram alimento. Se possível, vá devagar, procurando interiorizar a serenidade que é transmitida pela paisagem. Vinte quilómetros depois, chegará a Mourão. Actualmente, Mourão é uma terra sem muitos atractivos, mas, mesmo assim, vale a pena conhecê-la. Encontra-se dentro da zona de intervenção da Barragem do Alqueva e, por isso, sofrerá certamente grandes modificações nos próximos anos. Um pequeno passeio pela vila permitir-lhe-á, mais tarde, perceber as diferenças. Dirija-se, primeiro, ao castelo, passando pela Ermida de São Bento, um templo do séc. XVIII, antecedido por alguns cruzeiros de pedra de xisto. No castelo, suba ao passeio de ronda e aproveite para fazer o reconhecimento do horizonte: a vila de Monsaraz, o traçado do Guadiana, a estrada para Atalaia das Ferrarias, o espelho de água da Albufeira de Mourão. Saindo do castelo, dê uma vista de olhos à Igreja de Nossa Senhora das Candeias, mesmo ali ao lado. Finalmente, vá até ao centro da vila, a Praça da República, onde encontrará um agradável jardim. No caminho, não se esqueça de reparar nos Passos da Via Sacra.

Comentários

Comentários