Dividida por esse vasto caudal de água que dá pelo nome de Rio Tejo, a Região de Lisboa e Vale do Tejo tem certamente muito para oferecer, seja na margem direita, travada pelo oceano, seja na margem esquerda, onde já se sente a proximidade da província alentejana. A influência deste grandioso rio – o maior que atravessa o nosso país – faz-se notar não só nos campos, lezírias, vales e planícies, mas também nas cidades e gentes, que desde sempre procuraram tirar o melhor partido da enorme abundância que o seu leito proporciona.

• Nesta região, como não poderia deixar de ser, Lisboa, a “cidade das sete colinas”, atrairá uma boa parte das atenções. Mas, como poderá constatar, existem muitos outros pontos de interesse nestas paragens, que nada ficam a dever aos da cosmopolita capital. Com efeito, os atractivos são mais que muitos, seja qual for a direcção em que se desloque. As páginas seguintes mostram que, nesta região, não faltam locais dignos da sua visita, alguns deles ainda relativamente desconhecidos. A verdade é que, além dos pontos emblemáticos do nosso país, como o Mosteiro de Alcobaça, o Convento de Mafra ou o Santuário de Fátima, entre tantos outros, existem ainda, no perímetro de Lisboa e Vale do Tejo, autênticas “pérolas” à espera de serem descobertas.

• Estas preciosidades (as muito e as pouco conhecidas) surgem, pelo menos aos nossos olhos, como perfeitamente capazes de lhe proporcionar muitos momentos agradáveis. Os percursos que se seguem foram seleccionados com essa intenção e esperamos ainda que lhe sugiram um bom número de apetecíveis alternativas.

fonte

Percurso em Leiria

Este percurso tem início na cidade de Leiria, dominada pelo seu castelo e pelo Rio Lis, que lhe conferem uma peculiar geografia. De seguida, convidamo-lo a visitar a Marinha Grande, tão conhecida pela sua arte vidreira. Depois de apreciar alguns exemplos de tão nobre e difícil arte, siga na direcção de São Pedro de Moei, passando, primeiro, pelo célebre Pinhal de Leiria. Praias agradáveis e parques apelativos são outros condimentos deste percurso, que lhe proporcionarão o merecido descanso. Finalmente, sugerimos uma visita à Batalha, onde um dos símbolos da região, o famoso Convento de Santa Maria da Vitória, espera por si.

dsc_5567

Portinho da Arrábida

Continue o caminho em direcção ao Portinho da Arrábida. Pouco depois, passará por uma estrutura industrial, de aspecto sinistro, completamente coberta por um pó cinzento – trata-se “apenas” de uma cimenteira, que, infelizmente, continua a fumegar no coração de um dos nossos melhores parques naturais. Ainda bem que, alguns quilómetros depois, esta má recordação acaba por se desvanecer, à vista da excelente Praia da Figueirinha. A praia de areia fina é banhada por um mar de água cristalina, onde apetece passar o dia inteiro a nadar. Durante a maré baixa, é costume formar-se uma língua de areia, que delimita uma enorme poça de água muito apreciada pelas crianças.

• Seguindo caminho, passará por um elegante túnel que atravessa a falésia rochosa, dando acesso a uma estrada lindíssima que acompanha, de perto, a costa. Do lado oposto, eleva-se a Serra da Arrábida, coberta pelo matagal típico das regiões mediterrânicas. Nesta altura, se tiver a janela do carro aberta, poderá deleitar-se com uma agradável mistura de aromas, onde normalmente sobressaem o rosmaninho e a esteva. Depois, vire à esquerda no cruzamento onde aparecem as indicações Portinho da Arrábida e Museu Oceanográfico. Irá ter à baía do Portinho da Arrábida, graças a uma estrada estreita que, nalguns locais, não permite o cruzamento de dois automóveis – por isso, convém sinalizar a sua presença buzinando algumas vezes, nomeadamente junto à fortaleza, de forma a evitar manobras complicadas. Chegando à baía, estacione no parque, que é pago. Existe outro parque no lado oposto da baía, mas, deste lado, a paisagem é bem mais agradável.

• Atente bem na curva pronunciada da linha costeira, na praia de areia branca e no ilhéu da Pedra da Anicha, a rematar o conjunto. Trata-se de um local com uma beleza única no nosso país. Experimente dar um passeio, à beira-mar, até à zona de areal em frente ao ilhéu. Aí, forma-se uma rampa natural de areia, quase irresistível para os especialistas em rebolar pela encosta abaixo – as crianças. As águas, geralmente cristalinas e pouco agitadas, também são relativamente seguras para os mais novos.
Se preferir ficar apenas a apreciar a paisagem, há excelentes esplanadas, semelhantes a varandins sobre o mar, pertencentes aos restaurantes que aí se encontram. Durante a maré cheia, bandos de gaivotas vêm até muito perto dessas esplanadas, com a esperança de conseguirem algum alimento.

5934904598_c8460155fc

Museu dos Rios e das Artes Marítimas

Perto da referida capela, junto a uma passagem aérea sobre a rua principal, está instalado o Museu dos Rios e das Artes Marítimas, um espaço que reflecte a importância dos recursos fluviais para a economia e vida social de Constância, ao longo da história. O núcleo museológico aborda temas como a construção naval, as artes da pesca, o transporte fluvial e as festas relacionadas com os rios, com o objectivo de preservar o património histórico e cultural da vila. No exterior, existe um pequeno jardim, com alguns equipamentos destinados aos mais novos, e um miradouro de onde se pode apreciar a paisagem em redor.

Local: Rua Ramiro Guedes, n.° 6.
Contacto: 249 73 96 47.
Horário: terça a sexta, das 09.30 h às 12.30 h e das 14.00 h às 17.30 h. Sábado, domingo e feriados, das 14.30 h às 17.30 h. Encerra à segunda.
Preço: gratuito.

• Desça depois até à zona ribeirinha e aproveite para se recompor da caminhada. Nessa área, existem vários refúgios aprazíveis, onde apetece parar. Poderá tomar uma refeição ligeira no parque de merendas, desfrutar da praia fluvial junto ao Zêzere, beber um refresco na esplanada do bar ou mesmo jogar ténis no court, perto da ponte para o Entroncamento. Perto do monumento a Camões, visite o Horto Camoniano, dedicado a este poeta, que aqui viveu durante algum tempo. Neste bonito espaço, criado pelo arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, coabitam harmoniosamente várias espécies de plantas referidas n’Os Lusíadas e na Lírica, entre outras atracções e curiosidades, como a representação do Universo segundo Ptolomeu ou um recinto dedicado aos jogos tradicionais da época de Camões.

• Não deixe Constância sem adquirir uma das tradicionais bonecas de trapo e cana, as chamadas monas, que durante muito tempo ajudaram a equilibrar o orçamento das casas mais modestas.

245458898_84b6cc926b

Constância

Siga agora em direcção a Constância, voltando a passar pela Rua Actor Taborda. Perto da saída de Abrantes, verá outro grande espaço verde, o Jardim do Alto de Santo António, onde poderá fazer uma última pausa. Chegando a Constância, rapidamente concluirá que se trata de uma daquelas localidades que convidam a um demorado passeio a pé. As ruelas estreitas e floridas e a agradável zona ribeirinha, aconchegada entre o Zêzere e o Tejo, constituem atractivos impossíveis de ignorar. Assim, comece por percorrer as ruas, um pouco ao acaso. Não tenha medo de se perder: os rios estarão sempre à vista! O templo que se avista, lá no alto, de quase todas as ruas da vila, é a Igreja Matriz, um monumento que merece bem uma visita, nem que seja apenas para apreciar o magnífico tecto, pintado por José Malhoa. Junto à escadaria que dá acesso à igreja, encontram-se a Capela de Santa Ana e o cruzeiro.

DSC00740

Santa Bárbara

Quando passar por Santa Bárbara, encontrará a indicação Parque Natural de Fonte Lima. Seguindo sempre as tabuletas, acabará por chegar a um parque de estacionamento. No parque natural, encontrará um amplo espaço ajardinado, que foi construído em redor de uma fonte antiga. Há aí um agradável parque de merendas, um bar com esplanada, um parque infantil bem equipado e instalações sanitárias. Todo o recinto está impecavelmente limpo e dispõe de bastante espaço para as crianças explorarem. Os lagos, repuxos e riachos dão muita vida a todo o parque, cuja localização proporciona também uma boa vista dos arredores. Tenha em conta, no entanto, que este par- que é escolhido, por vezes, para festas de casamento, o que traz algumas complicações a quem pretenda fazer uma visita normal.