DSCF7966

Centro de Educação Ambiental de Marim

Este centro, com cerca de 60 hectares, faz parte do Parque Natural da Ria Formosa e dispõe de um trilho de descoberta da natureza com cerca de 3 quilómetros, que demora, em média, 2 a 3 horas a ser visitado.

• O percurso está muito bem sinalizado e existem diversas placas informativas, que permitem a qualquer leigo explorar bem todo o espaço, simultaneamente recreativo e educativo. Poderá ver os principais ecossistemas da ria, ou seja, sapal, dunas, salinas, pinhais, charcos de água doce e agricultura tradicional.

• Existem também tanques de aquacultura, um observatório de aves, canis de cão-de-água português, ruínas romanas, um centro de recuperação de aves e uma antiga barca da pesca do atum, totalmente recuperada, onde se podem fazer passeios na ria, em grupos com um máximo de 28 pessoas.

• No Centro Interpretativo existe um auditório, meios audiovisuais, aquários e área de exposição. Aí poderão ser adquiridas várias publicações e material de divulgação sobre o parque e a conservação da natureza.

Local: Quelfes, Olhão.
Contacto: 289 70 41 34/5.
Horário: todos os dias, incluindo fins-de-semana e feriados, das 09.00 h às 12.30 h e das 14.00 h às 17.00 h.
Preço: gratuito.

• Chegando a Olhão, siga em direcção à zona ribeirinha, estacione perto do bairro antigo e dê um pequeno passeio, prestando especial atenção às casas de forma cúbica característica, de telhado liso, com as platibandas muito ornamentadas, mostrando claras influências da arquitectura mourisca. Passeie pelas ruas vedadas ao trânsito, descobrindo o artesanato da região, e experimente tomar uma bebida numa esplanada junto aos Mercados Municipais, num edifício construído em tijolo maciço e recém-restaurado. Aí perto existe também um agradável jardim.

• Se passar pela Igreja de Nossa Senhora do Rosário, dirija-se à parte traseira e dê uma espreitadela aos ex-votos expostos na capelinha da Nossa Senhora dos Aflitos, constituídos, essencialmente, por peças em cera, representando pernas, mãos, cabeças e outros órgãos, objecto de agradecimento por eventual cura divina. Era aqui que vinham rezar as mulheres dos pescadores de Olhão, pelos seus homens que se encontravam no mar.

• Depois disto, resta regressar a Faro, onde as esplanadas da zona das docas mantêm, ao fim do dia, toda a sua atracção.

Comentários

Comentários