5888256930_3d7b3ee355_z

Centro Cultural Raiano de Idanha-a-Nova

Chegando à vila, vire à direita na rotunda, logo à entrada, e siga sempre em frente, por uma avenida larga, até aparecer, também à direita, um edifício moderno, revestido a pedra e com um certo “ar de castelo”: o Centro Cultural Raiano de Idanha-a-Nova. Aí, além do arquivo municipal e de um bar, verá que existem dois espaços, reservados a exposições permanentes, e um outro, destinado a exposições temporárias.

• Uma das exposições permanentes inclui mais de cem peças de olaria e objectos relacionados com esta arte. A forma de apresentação é excelente e a exposição abarca uma grande variedade de objectos, que vão da roda de oleiro às talhas de conservação dos alimentos, passando pelas bilhas água e coelheiras.

• A outra exposição permanente é dedicada à agricultura na região de Idanha-a-Nova e refira-se, a título de curiosidade, que está instalada na segunda maior sala de exposições do país, com 680 metros quadrados. A maior fica na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Assim, este espaço permite apresentar, com a dignidade devida, um notável conjunto de maquinaria agrícola de grandes dimensões, como é o caso das debulhadoras e enfardadeiras.

Local: Zona Nova de Expansão, Idanha-a-Nova.
Contacto: 277 20 29 00.
Horário: de terça a domingo, das 10.00 h às 12.30 h e das 14.00 h às 18.30 h. Encerra à segunda.
Preço: gratuito.

• Depois, se quiser ter uma perspectiva diferente da cidade e arredores, suba às ruínas do castelo. Infelizmente, este “miradouro” não dispõe de quaisquer sombras, pelo que convém evitá-lo durante as horas mais quentes do dia, sobretudo no Verão. Junto ao castelo, também poderá visitar a Igreja Matriz, onde se destaca o torreão sineiro.

Comentários

Comentários