mus_0325

Anta do Zambujeiro

Inicie agora o passeio pela região a sul de Évora. Se o desejar, ainda pode fazer algumas compras de loiças e artesanato regional, junto à muralha do Jardim Público. Caso contrário, coloque o conta-quilómetros a zero e, saindo do Rossio de São Brás, vire à direita; depois de passar a Praça de Touros, volte novamente à direita, encontrando a Rotunda da Porta do Raimundo, de onde poderá seguir na direcção de Alcáçovas.

• A cerca de 3 quilómetros, encontra-se, à direita, um conjunto de pinheiros perto de um grande sobreiro destacado, onde, na Primavera possível observar uma enorme quantidade de garças-brancas que aí nidificam. Existe bastante espaço à beira da estrada para estacionar em segurança e observar, com toda a tranquilidade, este ruidoso espectáculo natural. Mas tenha o cuidado de não se aproximar demasiado das árvores com ninhos, nem assustar os animais de qualquer modo.

• No cruzamento que se encontra 6 quilómetros adiante, vire à direita, na direcção de Valverde e São Brissos. Um pouco depois, junto à universidade, volte de novo à direita, na direcção de Guadalupe e Valverde. Depois de passar por baixo de um aqueduto com um bonito portal encimado por um escudo, encontra-se a indicação do caminho para a Anta do Zambujeiro, à direita. Passados os armazéns de material agrícola da universidade, entra-se numa estrada de terra batida que leva a um largo à beira de um regato. Pode estacionar aí ou, se tiver um veículo todo-o-terreno, atravessar o regato e percorrer mais uns 200 metros até ao monumento. Se quiser ir a pé, pode usar uma pequena ponte.

• A mamoa da Anta do Zambujeiro tem mais de 50 metros de diâmetro e envolve uma enorme anta, de câmara poligonal e corredor longo abrindo-se em átrio para o exterior. Embora o seu aspecto revele um certo descuido, trata-se, de facto, de uma das maiores construções megalíticas do género na Europa. Este templo funerário funcionou como cemitério e local de culto, associado à estela-menir de grandes proporções, coberta de pequenos orifícios, que se encontra tombada a sudoeste. O vasto espólio encontrado nas escavações aí efectuadas nos anos 60 – vasos de cerâmica, lâminas e pontas de setas em sílex, instrumentos de cobre, etc. – está guardado no Museu de Évora.

Comentários

Comentários