0005

Abrantes

Saia da Chamusca pela Rua Direita de São Pedro, na direcção da Golegã. Depois, siga para o Arripiado, passando pelo Pinheiro Grande e parando, eventualmente, na Carregueira, onde existe uma zona de lazer junto a um curso de água – basta seguir a indicação Mãe-d’Água. Encontrará um local relativamente agradável, embora algo abandonado. Ainda na Carregueira, também poderá visitar a Casa do Alfaiate, um estabelecimento de promoção e venda de artesanato.

• Saindo da Carregueira, vá com atenção, pois deverá virar à esquerda quando aparecer a indicação Arripiado. O Arripiado é uma aldeia pitoresca, encavalitada numa encosta mesmo junto ao Tejo. Repare na singeleza das suas casinhas debruadas a amarelo e nas ruelas floridas. Do lado oposto do rio, avista-se Tancos, por onde passará mais tarde. Se estiver na hora do almoço, aproveite para experimentar um dos deliciosos pratos de peixe, num dos restaurantes da localidade.

• Volte à estrada principal, e siga na direcção de Abrantes. Pouco depois de sair do Arripiado, surgirá, do lado esquerdo, a indicação Miradouro de Aimourol. Tomando esse caminho, poderá desfrutar de uma primeira panorâmica do Castelo de Almourol, situado no meio das águas do Tejo.

• Ao chegar a Abrantes, siga as indicações Centro e Castelo e estacione no parque junto ao castelo. Comece por visitar este monumento, com raízes num antigo castro lusitano situado, como é habitual, na zona mais elevada da cidade. Curioso é o facto de, ao contrário do que acontecia com outros castelos medievais, em que a população residia permanentemente na zona intramuros, a mesma se concentrar, em Abrantes, no exterior, servindo o castelo apenas de refúgio em alturas de perigo. No interior das muralhas, encontra-se a Igreja de Santa Maria do Castelo, conhecida por conter os sumptuosos túmulos da família Almeida, mas que alberga também o Museu de D. Lopo de Almeida. No entanto, o recheio da igreja vale a pena por si mesmo.

Contacto: 241 37 17 24.
Nota: em obras de recuperação aquando da data de publicação deste livro. Para horários e preços, ligue para o número acima indicado.

• Junto à muralha, do lado de fora do castelo, e contrastando com ele, existe um parque radical. Alguns metros adiante, encontra-se o Jardim do Castelot um amplo espaço verde, com muitos recantos agradáveis. As crianças apreciarão certamente as gaiolas com várias espécies de aves e os inevitáveis lagos com cisnes.

• Finalmente, percorra a pé algumas ruas da cidade, considerada, por alguns, a mais florida de Portugal, embora a tradição de enfeitar as fachadas com flores esteja a desaparecer. Ainda assim, se passar por aqui na Primavera, encontrará muitos recantos coloridos. Comece por apreciar a fachada da Igreja de São Vicente, bem perto do castelo, e siga pela Rua Actor Taborda. Vire depois na travessa à esquerda, perto de um jardim, seguindo pelas ruas Marquês de Pombal e D. João IV, até ao bonito Largo Avelar Machado. Adiante, passe pela Praça Barão da Batalha e siga em frente, até chegar ao Jardim da República, um pequeno mas agradável espaço verde, com um bom parque infantil. Em frente, ergue-se a fachada do antigo Convento de São Domingos, onde funciona a biblioteca municipal. Entre e aprecie os claustros ou faça uma pausa na sala de leitura da excelente biblioteca. Depois, regresse ao castelo, passando diante do convento. Encontrará mais duas igrejas pelo caminho: a da Misericórdia e a de São João Baptista, ambas de arquitectura maneirista.

Comentários

Comentários